Enterro ou cremação ? Nada disso, dissolução do corpo após a morte ganha adeptos.

Essa historia começa na terra dos 10 mil lagos, Minnesota nos Estados Unidos, mais especificamente na cidade de South Long Lake. Robert J Klink viveu praticamente toda sua vida próximo a água. Ele pescava, caçava e se divertia com a família sempre a beira de um lago. Era a grande paixão da vida dele.

Robert, tinha câncer do cólon e no fígado e já manifestava interesse de ser cremado. Pouco antes da sua morte acontecer em março, sua esposa Judi Olmsted foi até uma funerária na cidade e contou a vontade do marido em ser cremado, nesse momento foi apresentando para ela um novo método de cremação, um método que utiliza água. A casa funerária chama o processo de ”cremação alternativa ecológica”. No seu processo ela utiliza de uma solução alcalina feita a partir de hidróxido de potássio.

“De início, pensei ‘bem, eu não sei nada sobre isso'”, disse Olmsted. “Mas quanto mais eu pensava sobre aquilo, mais eu acreditava que era a melhor opção.”    

_96155616_cremado5.png

Foto: BBC.COM

Qual impacto ambiental de um sepultamento, cremação e a da cremação alternativa ecológica ?

O impacto de um sepultamento é muito grande na natureza. Existem diversos fatores que acabam prejudicando o meio ambiente.

A cremação também tem impacto ambiental. Para queimar um corpo, o equipamento crematório produz calor suficiente para aquecer uma casa durante uma semana no inverno congelante do Minnesota.

A funerária local é um dos 14 estabelecimentos do mundo a oferecer a opção “verde” – acredita-se que a hidrólise alcalina é ambientalmente mais correta do que a cremação tradicional.

O benefício ambiental não, porém, é o único fator a influenciar a decisão.

Ao escolher a cremação verde, Judi Olmsted pensou na paixão que Klink tinha pela água e relacionou o método aquoso ao batismo, o que achou comovente.

O processo transforma os ossos em pó, que, no caso de Klink, foi depositado próximo a flores, fotos e um pato de madeira numa igreja luterana no subúrbio de St Paul, em Minnesota.

Como funciona ?

O equipamento de hidrólise alcalina tem 1,8 m de altura, 1,2 m de largura e 3 m de profundidade. A aparência industrial da máquina contrasta com a intensidade sombria da sala de visualização.

Não é difícil imaginar quem escolheria assistir seu parente ou amigo sendo colocado num máquina que é conhecida como “digestor de tecidos”. Em seguida, Bradshaw e seu colega, David Haroldsen, movem um corpo pela porta.

O corpo – que não me foi identificado – é colocado na máquina. Bradshaw opera o equipamento por uma tela de computador – depois de trancada, a máquina se enche de água.

“A hidrólise alcalina é o processo natural pelo qual o corpo passa quando é enterrado. Aqui recriamos as condições ideais para isso acontecer muito, muito mais rápido”, diz Bradshaw.

_96155618_cremado4.png

Foto: BBC.COM

Num cemitério, o processo leva décadas. No equipamento, são 90 minutos – embora o processo subsequente de enxaguamento leve mais tempo.

Depois de três a quatro horas, a porta é destrancada e o diretor funerário vê ossos molhados espalhados numa bandeja de metal. Num compartimento longe da vista, são depositados os restos líquidos dos tecidos dissolvidos.

O cômodo onde está a máquina tem um cheiro parecido com o de um lavanderia. Mas a eliminação desses resíduos e o tratamento da água ainda preocupam as pessoas.

Bradshaw seca os ossos numa secadora de roupa doméstica. “Funciona melhor”, explica.

Os ossos são, então, colocados numa máquina usada na cremação regular. A diferença é que o pó resultante é mais fino e mais claro, parecido com o da farinha – e produz 30% a mais em quantidade.

Até agora, o digestor de tecido de Bradshaw processou mais de 1,1 mil corpos, quase um por dia.

Parte desse texto foi retirado do portal de noticias G1

 

 

Não deixe de acompanhar nosso blog e redes sociais, toda semana temos conteúdos  para você!

 

Redes Sociais:

Facebook

Google Plus

 

About Author

Marco A Martinho

Comments

3 Comments

  1. widson

    Mas esta água com o que sobrou das vicerás e músculo para onde é descartada?

  2. Particularly revealing looking forth to returning.

Deixe uma resposta